Google+ Followers

sábado, 1 de fevereiro de 2014

ECHELON E CARNIVORE

HÁ ALGUM TEMPO, UM DOS PROJETOS DE SEGURANÇA MÁXIMA, LIDERADO PELA NSA E OUTRAS AGÊNCIAS GOVERNAMENTAIS MUNDIAIS, FOI APRESENTADO COMO AMEAÇA À LIBERDADE DE EXPRESSÃO.

    A AMEAÇA FOI BATIZADA DE ECHELON (QUE EM INGLÊS SIGNIFICA ESCALÃO, POSIÇÃO NA HIERARQUIA MILITAR), ESSE SISTEMA É A MAIOR REDE DE ESPIONAGEM ELETRÔNICA DA HISTÓRIA, COMANDADA POR UM GRUPO DE PAÍSES LIDERADOS PELOS ESTADOS UNIDOS E QUE INCLUI REINO UNIDO, CANADÁ, AUSTRÁLIA E NOVA ZELÂNDIA. Por meio dele é possível capturar chamadas telefônicas, faxes e e-mails ao redor do mundo. Estima-se que o Echelon capture cerca de 3 bilhões de comunicações diariamente.
    O Echelon foi criado inicialmente para monitorar as comunicações militares e diplomáticas da ex-União Soviética e de seus aliados do leste. Hoje, o sistema varre o mundo atrás de dicas de planos terroristas, de traficantes de drogas e outros serviços para a inteligência de vários lugares. Alguns críticos afirmam que serviços não divulgados incluem o furto comercial e a invasão de privacidade em grande escala.
    Vária fontes que analisam a eficiência do Echelon insistem em dizer que há estações que interceptam sinais e satélites que capturam comunicações realizadas por rádio, satélite, microondas, celulares e cabos de fibra ótica. Esses sinais capturados seriam então processados por meio de uma série de supercomputadores, conhecidos como dicionários, que são programados para buscar em cada comunicação frases, palavras e endereços específico, podendo mesmo identificar vozes individuais.
     Outro programa que gerou muita controvérsia quando surgiu pela primeira vez foi o Carnivore. Tencionava dar acesso às agências governamentais a e-mails enviados e recebidos de suspeitos de serem terroristas. Foi desenvolvido pelo FBI por volta de 1997 e lembrava, em todos os aspectos, a sombria realidade retratada por George Oruell em sua obra 1984.
    Em janeiro de 2005, soube-se que o Carnivore foi abandonado por seu criador em troca da adoção de um software comercial de escuta, que promete ser um dos mais influentes no mundo digital. O Carnivore foi a terceira geração de programas online de detecção usados pelo FBI. Embora a informação colhida pela primeira versão nunca tenha sido revelada, muitos acreditavam na eficácia de outros programas, como o Etherpeek, disponível comercialmente.
    Foi apenas em 1997 que o FBI colocou em prática a segunda geração do programa, chamada Omnivore. Este simples programa olhava o caminho de um e-mail num provedor específico de internet e capturava-o num drive de fita ou o imprimia em tempo real. O Omnivore foi retirado do mercado de um sistema para favorecer a entrada no mercado de um sistema mais completo, chamado DragonWare Suite, que permitia reconstruir e-mails, baixar arquivos ou páginas inteiros. O Carnivore era parte do Dragon Ware, baseado no sistema Windows NT/2000.